O que as palavras não dizem




Vagueio só,
Porque é entre mim e a solidão,
Que se desenha aquilo que eu sou.
O silêncio é o meu barulho,
O meu frio é o teu calor,
E todas as palavras que não disse,
Tu já as sabes de cor!
Adivinhas-me as palavras como se sentisses a minha dor,
Como se os nossos corações tivessem nascido juntos,
E se tornassem guerreiros na mesma batalha,
Como se as feridas fossem as mesmas,
E nunca existisse a impossibilidade de se separarem.
Mas tudo se gasta, as palavras, o amor e o tempo,
E enquanto te limitas a me decifrar,
O amor e as palavras perdem- se em nós,
E o tempo acaba com tudo o que poderia ter sido!


Escrito por:Ana Brinca (Pseudo-escritora ;))

Ana Brinca

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

3 comentários:

Mila disse...

Fácil, memorável,hábil
São palavras eloquentes
Também há a fútil,
Estas? Não são cá residentes.


Há as que ferem o coração
São piores que punhais
As que não chegam a ser ouvidas
São igualmente mortais

Boas são aquelas palavras
Que não precisam ser proferidas
Só com o olhar ou um toque
Fica percebido, são sentidas

(http://hortadamila.blogspot.com/2007_06_01_archive.html)

DC disse...

Perco-me, ou encontro-me, nas tuas palavras. Obrigado.

Catarina andrade disse...

Sentes tudo o que escreves? Indentifico-me bastante com os teus textos, mas é um bocado estranho isso acontecer pq só se escreve o que se sente o que se vive, e nos passamos o tempo a pensar que ha coisas que so acontecem a nos e nao aos outros, e se tu escreves o que sentes parece que houve situaçoes da tua vida que te fez sentir isso mesmo, tal como a mim !
responde-me pelo facebook se puder ser. ( falamos lá ontem, catarina andrade)

Enjoy. Com tecnologia do Blogger.

Sobre

Ana Brinca Atriz

Popular Posts

Search This Blog

Translate