O Meu coração encontra se em silêncio,
anseia encontrar um outro,
para que possam compor uma melodia ao mesmo ritmo,
com o mesmo som!
Incompleto por estar só,
repleto de perfurações que se entranham no espírito,
mendigo do tempo, anseia o amor..
Dilui-se como uma aguarela,
desenhando novos contornos,
uma tela branca que aos poucos ganha cor.
Vive a mil à hora,
não pára, bate sem parar ,
encontra o que quer,
torna-se mais fraco que qualquer outro,
cede, deseja, a razão dá lugar à paixão,
pulsações compassadas ,
reacções inesperadas,
Um êxtase que rodopia,
sorvendo de mim grande parte do que te quero dar,
envolvendo me num beijo coreografado ,
que era há muito praticado em frente a um espelho,
um reflexo já imaginado ,
num sonho de engano.
Mergulhei no amor e com ele veio a dor,
que mata um coração apaixonado.
E de novo os espaços mortos são preenchidos com o silêncio,
só o silêncio!

(Feito por:Ana Almeida)

Ana Brinca

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

1 comentário:

Diogo Silva disse...

Wow, poema muito interessante. Não só o significado por detrás dele, mas também como a própria escrita o melhora.

Gostei do "sossego" em como começou, e de como todo o clima se intensificou há medida que se foi "mergulhado" na paixão, apenas para a dor vir, anti-climática, e o "silêncio" voltar-se a impor, abrupto, "só o silêncio!"

(Desculpa ter intrujado :S)

Enjoy. Com tecnologia do Blogger.

Sobre

Ana Brinca Atriz

Popular Posts

Search This Blog

Translate